terça-feira, 27 de maio de 2008

CUITEGÍ

Há 9 quilômetros de Guarabira, no sentido dos municípios de Alagoinha e Alagoa Grande, através da rodovia estadual PB-075, alcançamos a pequenina cidade de Cuitegí, sede do município de mesmo nome e que se fez povoado em 1873, permanecendo assim até 1938, quando o Decreto-Lei nº 1.010, de 30 de março, o promoveu a Distrito com o nome de Cuité. Esse nome seria mudado para Cuitegí, graças ao Decreto-Lei nº 1.164, de 15 de novembro de 1.938, para evitar que continuasse sendo confundido com um município do agreste acatingado, também denominado de Cuité, próximo a Barra de Santa Rosa.

A origem do seu nome é explicada como do tupi-guarani: Cui = Vaso, Éter = Real e Gi = no Rio, uma vez que os indígenas Giss, primeiros moradores da região onde se localiza Cuitegí, ali chegaram procedentes de Mamanguape e Araçagi onde habitavam as margens do rio desse mesmo nome. Assim, o vocábulo seria traduzido como vasilha de beber água, ilustre vaso de água ou grande vasilha no rio.

Enquanto isso, populares mais antigos do lugar atribuem o seu nome a frondosa árvore da cuité existente no centro da cidade, atual rua 7 de Setembro, e sob a qual os tropeiros e comerciantes ambulantes repousavam durante horas, do cansaço pelas longas caminhadas empreendidas. Ai teria nascido o primeiro povoado com casas construídas no entorno da árvore. Nessa artéria, seria construída a capela, atual igreja matriz de Nossa Senhora do Rosário.



Por volta de 1870, Guarabira vivia momentos difíceis, em virtude da peste de varíola que acometeu o lugar e maltratou muito a sua população. Em face disso, a sua feira declinou sensivelmente quando muitos viajantes e residentes da região se afastaram do lugar maldito. Assim, o comércio guarabirense foi profundamente abalado, enquanto prosperava a feira semanal de Cuitegí. Ao ser definitivamente controlado o surto desse mau, os comerciantes que trabalhavam naquele lugarejo, não quiseram mais voltar a Guarabira para comercializar os seus produtos, tendo o governo interferido com o envio de uma tropa do exército, num dia de sábado, e essa os obrigou a caminhar até Guarabira, conduzindo mercadorias e apetrechos de trabalho.

A 26 de dezembro de 1961, Cuitegí foi promovido a município, emancipando-se de Guarabira, graças à Lei nº 2.685, no governo de Pedro Moreno Gondim (1961-66), que promovia no Estado uma série de emancipações desse tipo. Para o município de Guarabira a emancipação desse Distrito trouxe muitos dissabores e abalo econômico uma vez que aquele povoado era excelente produtor de frutas, cereais, mandioca/farinha e cana-de-açúcar, enquanto as suas olarias e curtume negociavam bastante os seus produtos. A pecuária também se destacava, muito embora em menor escala.

Coube a João Bezerra da Silva, por nomeação do governador, a responsabilidade de administrar os primeiros passos de Cuitegí, havendo renunciado ao mandato em 14 de julho de 1962. Para substituí-lo, foi nomeado Benedito Targino da Silva que permaneceu no cargo até a realização das eleições quando se sagraram eleitos prefeito e vice, em 3 de outubro de 1962, Antônio Paulino Filho e Galileu Pereira de Melo.

Atualmente o município de 49,3 km² e banhado pelo rio Araçagi, tem população de 7.047habitantes residentes na zona rural e área urbana (IBGE, 2007). As serras mais importantes são Palmeira, Mangueira, Espinho e Jacu. Está encravado na Mesorregião do Agreste Paraibano e constitui a Microrregião de Guarabira, estando a 90 metros acima do nível do mar. Tem Latitude de 6º53’00” e Longitude de 35°32’00”. Limita-se com Guarabira e Pilõezinhos, ao Norte; Alagoinha, ao Sul; Guarabira, a Leste e Pilões, a Oeste.

A sua sede embora pequena, é relativamente organizada com um comércio composto de padarias, mercearias (antigas bodegas), miudezas, bares, posto de combustíveis, supermercados, lojinhas, barbearias, ferragens, farmácia, revenda de bujões de gás e um mercado público no centro da cidade, onde ocorre dominicalmente a sua feira livre.



Embora predomine o catolicismo, sob o manto sacro da Virgem do Rosário, outras religiões ali são professadas através de templos erguidos para essa finalidade, à medida que os anos foram se sucedendo.

13 comentários:

vivinha ananias disse...

eu adoro minha cidade cuitegi
muito bonita venha conhecer
vale a pena....
ass: vivinha ananias

vivinha ananias disse...

minha cidade é linda
adoro cuitegi quem não conheçe venha conhecer que vale a pena
ass: vivinha

Tarcisio disse...

Minha cuitegí querida,tu és bonita por natureza.Saudades.

João disse...

Cuitegi,Terra abençoada por DEus,e acolhedora por natureza,lugar de boas festas pra tomar uma e fazer novas amizades.è tudo de bom só indo pra ve e muitos gatinhos assim como eu...kk

gtja disse...

Oi pra falar desta cidadee não podemos esquecer de sua participação Politica desde o Governo de Antonio Paulino,uma cidade muito acolhedora,bonita ,maravalhoza,mais tb tem as Familias tradicionais Exp.Pedro Galdino ,Bechó ,Tomaz,Leite,Dantas,Vidal,Paulino,entre outras que vem trasformando esta cidade cada dia mais ,amo de todo coração!!!

rosicleide disse...

não esquecendo da família Madruga à qual pertence meu cunhado Emídio Madruga,filho do ex-prefeito de cuitegi:Guilherme Madruga,que hoje apoia seu outro filho Guilherminho Madruga no desejo de ser seu sucessor político nessa mesma cidade maravilhosa.

Tarcisio disse...

Cuitegi é uma cidade de grandes nomes,CUNHA,COZINHO,COUTINHO e muitos outros.Mas tem uma pessoa que passou por Cuitegi que eu já mais esquecerei que é minha querida e saudosa ISAURA CUNHA um ser verdadeiramente ILUMINADA.

Alexandre disse...

Cuitegi, é uma cidade querida por todos, e ela merece bons administradores para que sempre tenhamos orgulho de nossa linda cidade, que temos tanto orgulho de fazer parte da história dessa cidade.

rian disse...

Não poderemos esquecer a ilustre MARIA DE JESUS FÉLIX LEITE (ZUI), que tanto contribuiu para o desenvolvimento da sociedade cuitegiense, tanto como professora como COORDENADORA DO APOSTOLADO DA ORAÇÃO. A você ZUI, que sempre quis e semeou o bem ao próximo fica minhas lembranças, tempos vividos que nao voltam jamais, você com seu geito calmo e tranquilo na igreja ou nas ruas da cidade, lembro devocê e seu nome nunca será esquecido em cuitegi.

Evaldo disse...

Cidade linda, pessoas acolhedoras de almas aberta.Hoje não moro mais em cuitegi , mas tudo de bom que tem dentro de mim , eu agradeço a essa cidade.

CTG NEWS disse...

O nome cuitegi ñ tem nada a ver com os giss ta, A origem do seu nome é explicada como do tupi-guarani: Cuité = bacia, gi = pequeno = bacia-pequena, araçá = fruta , gi = pequena , fruta-pequena ou frutinha.
espero qui sega corrigido ta.
obrigado

@chicoenfermeiro disse...

Esta é a cidade da minha ancestralidade. Todo meu povo veio dai, os Alves Oliveira, moravam na Malhada. Foram donos de terra, mas infelizmente o vício do alcoolismo, fez com meu avó desse fim a tudo. Fui ai ainda criança aso 10 anos buscar meu avó que estava morrendo por conta de uma cirrose, abandonado em suas ex-terras. Mas desejo voltar para conhecê-la melhor. Só senti falta de fotos históricas.

Anônimo disse...

cuitegi e uma cidade boa de morar faz 2 anos que vir de rj e amor esta cidade e como se eu estivesse em casa .já voltei para rj mais não deixou de da uma olhadiar neste blog ai hoje to aqui sem fazer nada ai to postador este comentário desta cidade que e tao magnificar mas estou triste porque deixeir esta cidade tao maravilhosa principalmente os rapazes dai o alison que tem namorada mais não to nem ai pois eu já fiquei com ele mesmo ele tendo namorada.o victor foi o meu melhor amigo ai to com saudades da ai principalmentes dos meus familiares beijjjjjjjjosssssssss cuitegi caraba nem com sigo sair mais deste blog.